Lemos: farsa montada por Sérgio Moro para condenar Lula está sendo desmontada

Lula. Foto: Leandro Taques

Em discurso nesta terça-feira (9) na Assembleia Legislativa, o deputado Professor Lemos (PT) disse que a farsa montada pelo ex-juiz Sérgio Moro para condenar e prender Lula, tirando o ex-presidente do cenário político, está sendo finalmente desmontada. Lemos exigiu justiça para Lula, de forma que o ex-presidente possa ser candidato em 2022 se desejar, e lembrou da atuação ilegal de Moro ao determinar a prisão de 11 pequenos agricultores do Paraná em 2013.

“Nós queremos que seja feita Justiça ao ex-presidente Lula. Se ele quiser ser candidato a presidente, que seja candidato, e que a população possa escolher quem realmente respeita o povo brasileiro e faça com que nosso país seja respeitado novamente no mundo”, disse.

Ele destacou que nos governos do PT o Brasil “tinha pleno emprego, era a sexta economia do mundo, o preço dos combustíveis, do gás de cozinha, e do dólar estavam sob controle”.

“Havia investimento em educação, saúde, nas áreas sociais. O Brasil vivia um momento de crescimento e desenvolvimento. Todas as pesquisas que são feitas hoje, perguntando se votariam em Lula se fosse candidato a presidente, mostra que sim, que ele venceria todos os candidatos”.

O parlamentar lembrou ainda que entre as vítimas da perseguição política de Sérgio Moro estão 11 pequenos produtores do Paraná, presos ilegalmente em 2013. Quatro anos depois, em 2017, eles foram inocentados pela Justiça.

“O Ministério Público, que fez a investigação, mandou arquivar o processo porque não havia provas, mas o Moro fez de conta que os agricultores eram culpados e determinou que a Polícia Federal fosse até as pequenas propriedades e prendessem os agricultores, deixando presos por vários meses. Ficou provada a inocência de todos eles. Era uma farsa”.

O deputado lamentou que a prisão ilegal orquestrada por Moro levou ao desmonte do PAA (Programa de Aquisição de Alimentos), programa do governo federal para compra e venda de produtos da agricultura familiar.

“Foi uma tremenda injustiça, que deixou sequelas até hoje. Os agricultores foram punidos indevidamente e o programa caiu em desgraça. Porque no Brasil todo passou a se levantar dúvidas sobre o programa, e hoje está capengando. Era um programa muito importante que foi destruído a partir de uma ação maldosa do então juiz Sérgio Moro. Agora ele está sendo desmascarado. Fica provado que não era o mocinho, ele é o bandido”.